Depurando com Visual Studio Code – .NET Core/C#

Estamos de volta.

Hoje iniciamos mais uma série de vídeos no nosso Canal no YouTube falando sobre como depurar aplicações com o Visual Studio Code.

A intenção nessa série de vídeos é apresentar o básico de depuração em várias linguagens de programação com Visual Studio Code.

O Visual Studio Code já vem com suporte nativo a JavaScript/Node e TypeScript, porém ele dá suporte a várias outras linguagens de forma completa com a simples adição de uma extensão.

Eu quiz iniciar essa série com a depuração .NET Core e não com a linguagem nativa JavaScript, pelo simples fato do VSCode ter sido criado pela Microsoft com a intenção de ser a ferramenta padrão para codificação .NET em plataformas não Windows (onde o Visual Studio já faz um ótimo trabalho).

Nas primeiras versões o C# também vinha nativo no VSCode, mas com o tempo esse suporte foi movido para uma extensão, acredito que porque para o suporte completo (como depuração por exemplo) você precisaria instalar o .NET Core separadamente, então já que se tem que instalar o .NET Core separadamente, porque o suporte a linguagem deve vir nativo se estaria incompleto? (mas isso é só o meu achismo em ação).

Enfim, o que importa é que isso se faz simplemente e veremos nesse vídeo.

Apesar do vídeo ser um pouco extenso, sugiro assisti-lo até o final, porque iremos apresentar algumas situações de problemas e como resolvê-los.

Até o próximo artigo.

Direto ao ponto – Instalando o NodeJS no Windows

Seguindo com nossa série “direto ao ponto”,

Hoje vamos instalar o NodeJS no Windows

Lembro que já escrevi aqui um artigo onde fizemos uma instalação breve do NodeJS, na época a versão era a 4.

Então achei por bem deixar registrado esse pequeno vídeo rápido instalando a última versão disponível na época dessa gravação (no caso 6).

É isso aí, espero que curtam, e se inscrevam no meu canal no YouTube.

Até o próximo artigo.

Direto ao ponto – Instalando o JetBrains Rider

Seguindo nossa série “Direto ao ponto”,

Hoje, vamos instalar o JetBrains Project Rider no Windows

E pra quem não conhece, essa é uma ferramenta para desenvolvimento .NET multiplataforma e que ainda está em fase de desenvolvimento. Porém conta com toda a experiência da equipe JetBrains que tem em seu currículo grandes ferramentas como IntelliJ IDEA para  desenvolvimento Java, PHPStorm para PHP, PyCharm para Python, CLion para C/C++, RubyMine para Ruby, DataGrip para banco de dados, WebStorm para frontend, etc…

E pra galera do .NET que já contava com a extensão ReSharper para VisualStudio, e ferramentas como dotPeek e dotTrace, agora também terá sua própria IDE da família JetBrains.

É isso aí, espero que curtam, e se inscrevam no meu canal no YouTube.

Até o próximo artigo.

 

Vamos criar um time?

Pessoal, hoje eu só quero apresentar uma ideia e fazer um convite pra vocês:

Vamos criar um time de desenvolvimento?

Veja algumas explicações nesse video que postei no YouTube.

Já aproveito a oportunidade e te peço para se inscrever no canal e acompanhar os próximos materiais, além é claro de compartilhar com seus amigos.

Até o próximo artigo!

Direto ao ponto – Instalando o Git no Windows

As vezes não queremos nenhum bate-papo ou informação adicional, o que precisamos é somente resolver um problema básico. Pensando nisso estou produzindo algum conteúdo simples, mas que vai direto ao ponto.

Hoje, vamos instalar o Git no Windows de forma a disponibilizá-lo no Command Prompt.

Tenho visto que é comum os desenvolvedores utilizarem o emulador Bash do Linux no Windows para usar o Git, isso se explica muito bem se levarmos em conta que o Git é feito especificamente para Unix; mas como ele é escrito seguindo o padrão POSIX foi possível a portabilidade do mesmo para outros sistemas, inclusive o Windows.

Porém as primeiras versões liberadas para Windows só rodavam com o emulador Bash, isso era um incômodo pra mim principalmente porque os binários disponíveis estavam sempre atrasados, ou seja, se a última versão do Git era a 2.2, os binários disponíveis para Windows eram da versão 1.8 por exemplo, e eu usava o Git mais atual no Linux, porém no Windows precisava usar uma versão anterior. Mas graças ao projeto http://git-for-windows.github.io, isso acabou, e a última versão para Windows está alinhada com a última versão real do Git.

Pois bem, mas mesmo assim, os programadores continuam usando o Git no Windows como se fosse no Unix, isso porque usam o emulador Bash ao invés do Command Prompt. Eu acho isso um desperdício porque, se você está usando o Windows (e aqui não tem nenhum paixonismo pelo Windows) faz sentido você usá-lo como se deve, até para que você possa tirar o máximo proveito do OS; aí quando você está usando o Linux também é razoável tirar o máximo proveito dele.

E como já falei de mais, segue o vídeo instalando o Git no Windows da forma como uso para meus trabalhos, e deixo essa recomendação para você.

Até o próximo conteúdo.

Detectando a versão do Python em scripts cmd no Windows

Fala aí!

Depois de um tempo, volto a escrever. E para hoje, uma dica rápida mas muito útil.

python-2-vs-python-31-780x350

Estava eu codificando em mais um pequeno projeto pessoal em Python, quando me surgiu a necessidade de criar um script wrapper onde eu precisava que o python estivesse instalado em uma versão específica.

Eu já sabia que o comando where do windows poderia ser usado para identificar se um determinado programa estava ou não disponível, com isso eu já podia avisar o usuário para instalar o Python caso não estivesse disponível.

Só que isso não me era suficiente, pois eu não precisava só saber se o Python estava instalado, mas se estava instalado na versão correta.

Como resolvi? Simples!

Usei o poder python -c para executar código inline diretamente pela linha de comando.

Você pode conferir como ficou o script final aqui.

E é isso aí, por hoje é só, espero ter ajudado!